Artigos

Música Pode Ajudar Em Tratamento Contra Dependência Química

"A música é capaz de reproduzir, em sua forma real, a dor que dilacera a alma e o sorriso que inebria". A frase, atribuída ao compositor alemão Ludwig van Beethoven, resume o quanto a música pode ter várias nuances e que é possível expressar os mais variados sentimentos através dela. E trabalhar com eles: as melodias também podem ser usadas de forma terapêutica. Há diversas pesquisas que comprova que a música pode ser uma grande aliada no tratamento de diversas doenças, inclusive a dependência química.

Na prática clínica podemos observar os benefícios de outras áreas do conhecimento contribuindo para recuperação do dependente químico como, contribuir para que o dependente químico possa relaxar praticar a espiritualidade e utilizá-la como estímulo para se distrair, evitando pensamentos obsessivos em relação ao uso de drogas.

Com a música também é possível desenvolver a capacidade de atenção e concentração, diminuir a ansiedade e encorajar comportamentos saudáveis.

Exercício Físico, Saúde Mental e Dependência Química

blog

É de senso comum que a prática regular de exercícios físicos ajuda na prevenção e na melhoria da condição de saúde. Alongamentos, caminhadas, jogos com bola, ciclismo, artes marciais, natação, para citar os mais comuns são práticas comuns e habituais na rotina de boa parte da população. Os motivos para prática são muitos, mas se questionados todos com certeza vão apontar os benefícios para saúde que creem estar obtendo com os exercícios que realizam. Esse senso comum começou a se fortalecer com o aumento de informações disponibilizadas pelos pesquisadores dos efeitos do exercício físico sobre a saúde.

Por ser um problema atravessado por diversas questões, inclusive sociais, a dependência química deve ser acompanhada por uma equipe de saúde multidisciplinar que seja composta por diferentes profissionais da saúde. Eduardo Luiz da Rocha Cesar, por exemplo, é profissional de educação física especialista em dependência química. Ele defende a importância da inserção da atividade física no tratamento de dependentes químicos.

A reabilitação física traz inúmeras vantagens para o paciente: além de ajudar na recuperação como um todo, pode ajudar a prevenir recaídas. Outros benefícios da atividade física incluem a diminuição do efeito colateral de eventuais medicações ministradas e uma mudança positiva na imagem corporal, o que é essencial para que o paciente mantenha a abstinência após o acompanhamento médico.

O humor em geral e as manifestações de depressão e ansiedade em indivíduos normais e pacientes psiquiátricos, sofrem influências benéficas com exercícios aeróbicos.Segundo Paluska e Schwenck (2000), a atividade física podedesempenhar um papel importante no gerenciamento da doença mental leve paramoderada, especialmente da depressão e da ansiedade. Embora as pessoas comdepressão tenham tendência a ser fisicamente menos ativas do que indivíduos nãodepressivos, os autores verificaram em seu estudo que o aumento dos exercíciosaeróbicos, ou treinamento de força, reduzem significantemente os sintomasdepressivos e, em geral, a ansiedade aguda responde melhor ao exercício do que acrônica.

A capacidade de promover benefícios na saúde e na qualidade de vidaatravés da prática de exercícios físicos em dependentes químicos também foi objetode estudo de alguns autores. Barbanti (2006) investigou a mudança na qualidade devida em 141 pacientes dependentes químicos (Álcool, Tabaco, Drogas) mais seusfamiliares, e depressivos (DP), que participaram de programas de exercícios físicos.

9 Principais Benefícios Da Natação

blog

Um dos esportes mais completos e recomendados, a natação proporciona desde a perda calórica e equilíbrio muscular, até o auxílio na recuperação de lesões. A modalidade é indicada para pessoas de todas as idades e biótipos, e tem ainda mais benefícios a oferecer.

No tratamento da dependência química auxilia na saúde física em geral dando assim mais condições na recuperação.

A seguir, veja os principais benefícios:

Não tem impacto: é um esporte que não afeta as articulações, promove o relaxamento dos músculos e ajuda a aliviar a tensão muscular.

Proporciona equilíbrio muscular: a natação é uma das modalidades mais completas. Os movimentos realizados durante a atividade envolvem a maior parte dos músculos.

Melhora a postura: aumenta a flexibilidade da coluna e remove a dor.

Melhora a capacidade aeróbica: como a natação exige muito da nossa respiração, o corpo requer uma grande quantidade de oxigênio.

Promove a circulação: praticar a natação, moderadamente, de 30 minutos a uma hora, pelo menos, duas vezes por semana, melhora a circulação sanguínea, o que facilita o transporte de nutrientes e oxigênio para células, músculos e órgãos.

Promove a flexibilidade muscular: A modalidade ainda ajuda a manter as articulações saudáveis e reduz o risco de doenças ósseas, como a osteoartrite. Exercícios de baixo impacto (como a natação) mantém os ligamentos exigidos fluidos e em bom estado.

Ajuda na recuperação de lesões: atletas lesionados são incentivados a praticar natação ou fazer a reabilitação na piscina. Isso acontece devido a resistência da água, que faz com que os músculos trabalhem sem a tensão do impacto sentido na colisão contra o chão ou outra superfície.

É para todas as idades: por ser um esporte sem impacto, principalmente, crianças, idosos e mulheres não correm o risco de lesões ósseas e musculares.

Requer maior gasto de energia: na água, seus músculos trabalham cinco, seis vezes mais do que em terra, portanto, o gasto calórico é maior do que em outros esportes.